Programa

14:00 Apresentação, metodologia e avaliação no Curso
André Moreira (FMUP/FCNAUP/CHSJ), Maria Luz Loureiro (CIMGF)
14:15 Modulo I: Alergia Alimentar: factos e números
Diana Silva (CH São João, FMUP); André Moreira (FMUP/FCNAUP/CHSJ)
Objectivos
  • Descrever a incidência, prevalência e historia natural da alergia alimentar
  • Descrever as manifestações clinicas associadas à alergia alimentar
  • Identificar os principais fatores de risco para alergia alimentar
  • Caraterizar as principais intervenções para prevenir a alergia alimentar
  • Formular a eficácia destas intervenções e o melhor momento para a sua implementação
Epidemiologia e história natural, Leonor Leão (CH São João, Porto)
Manifestações clínicas, Natacha Santos (Centro Hospitalar do Algarve)
Is the timing of exposure to diet important for the development of allergic diseases? Vanessa Garcia-Larssen (Imperial College, UK)
16:30 Módulo II: Como diagnosticar alergia a alimentos
Luís Delgado (CH São João, FMUP, Porto), José Pedro Moreira da Silva (CH Gaia-Espinho)
Objectivos
  • Diferenciar entre sensibilização e doença no diagnóstico da alergia alimentar
  • Identificar a utilidade clínica do diagnostico laboratorial in vitro na alergia alimentar
  • Enumerar as indicações e contra-indicações para a realização de testes cutâneos prick-prick e provas provocação oral na alergia alimentar
  • Identificar a metodologia dos testes prick-prick e provas de provocação oral
Clinica e diagnóstico laboratorial, Alexandra Santos (Kings College, London, UK)
Testes cutâneos e provas de provocação, Ana Rodolfo (CH São João, Porto)
17.30 Workshop I: Testes cutâneos e provas de provocação
Testes cutâneos e provas de provocação, Ana Rodolfo (CH São João, Porto)
14.00 Módulo III: Patologia gastrointestinal associada à alergia alimentar
Guilherme Macedo (CH São João, FMUP, Porto), Alice Coimbra (CH São João, FMUP, Porto)
Objectivos
  • Descrever as características clinicas do síndrome de alergia oral
  • Enumerar os procedimentos diagnósticos no síndrome de alergia oral
  • Descrever a epidemiologia, apresentação clinica, metodologia diagnóstica, história natural e tratamento da esofagite eosinofílica
  • Caracterizar a apresentação clinica, metodologia diagnóstica, história natural e tratamento da proctocolite alérgica e enterocolote induzida por alimentos
Síndrome de alergia oral e reactividade cruzada, Ana Reis Ferreira (CH Gaia-Espinho)
Esofagite eosinofílica, Susana Rodrigues (CH São João, FMUP, Porto)
Protocolite alérgica e enterocolite induzida por alimentos, Eunice Trindade (CH São João, FMUP, Porto)
16:00 Módulo IV: Como tratar a alergia alimentar?
Diana Silva (CH São João, FMUP, Porto), Helena Falcão (CH Porto)
Objectivos
  • Definir os principais tratamentos para alergia alimentar
  • Reconhecer os conceitos de dessensibilização e aquisição de tolerância
  • Analisar o balanço entre segurança e eficácia dos protocolos de dessensibilizaçã/indução de tolerância
Evicção e exposição acidental, Inês Pádua (FCNAUP)
Indução de tolerância e protocolos usados na prática clínica, Carmelo Escudeiro Diez
Anafilaxia: diagnostico e tratamento, Luís Amaral (CHSJ)
17.30 Workshop II: Tratamento anafilaxia
Luís Amaral (CHSJ)
14.00 Módulo V: Nutrição na alergia alimentar
Pedro Moreira (FCNAUP), Carla Rego (Hospital CUF Porto, FMUP)
Objectivos
  • Reconhecer a diversificação alimentar nos momentos adequados como oportunidade para prevenção primária
  • Reconhecer o risco da evicção alimentar no estado nutricional dos doentes com alergia alimentar
  • Caracterizar as principais intervenções de evicção alimentar e adequação nutricional, de forma a prevenir a exposição acidental e a minimizar o impacto da evicção no estado nutricional
Diversificação alimentar e formulas hidrolisadas, Carla Rego (Hospital CUF Porto, FMUP)
Abordagem nutricional na alergia alimentar, Renata Barros (FCNAUP)
A prevenção é possível? Diana Silva (CH São João, FMUP, Porto)
16:00 Módulo VI: Impacto da alergia alimentar na comunidade
Renata Barros (FCNAUP), André Moreira (FMUP/FCNAUP/CHSJ)
Objectivos
  • Identificar as principais dificuldades de integração de um doente com alergia alimentar na comunidade
  • Reconhecer qual a legislação em vigor relativa à prestação de informação aos consumidores sobre géneros alimentícios e identificar o objeto, âmbito de aplicação e pressupostos do Regulamento nº 1169/2011 no que se refere à alergia alimentar
  • Reconhecer a utilização de avisos de rotulagem e os procedimentos para controlo de alergénios na indústria alimentar
A visão da “Alimenta”, Marlene Pequenão (Associação Portuguesa de Alergias e Intolerâncias Alimentares)
Legislação e a visão da ASAE, Pedro Nabais (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica)
Alergia Alimentar na restauração e nas escolas, Inês Pádua (FCNAUP)
17.30 Workshop III: Culinária para alérgicos